terça-feira, 30 de março de 2010

O Direito de ser fragil...


É uma riqueza insondável este texto de São Paulo (2Cor 12,1-10). São Paulo nos fala que para que o seu espírito não se enchesse de orgulho e vaidade, foi lhe colocado um "espinho na carne".

Não é possível falar de crescimento humano se antes não falarmos de reconhecimento dos nossos limites. O bom treinador é aquele que vai saber salientar a qualidade do atleta, mas, sobretudo, vai saber encaminhá-lo para a superação dos limites. O primeiro passo é reconhecer onde a gente precisa melhorar.

É um grande desafio para todos nós porque, lamentavelmente, as pessoas não estão preparadas para nos educar para a coragem. Sabe por quê? Porque muitas vezes os incentivos que nos são dados estão mais voltados para esquecermos as nossas fragilidades. Quando mostramos as nossas fragilidades, há uma série de repreensões diante de nós.

Você já reparou que a gente não deixa a criança chorar? Já reparou que quando o recém-nascido chora, nós fazemos de tudo para calar a boca dele. Fazemos uma série de "cara feia" para ver se a gente cala a criança, para tentar espantar a fragilidade.

Nós, humanos, temos uma dificuldade imensa de lidar com a fragilidade do outro – ainda que seja filho da gente. Nós gostamos é de todo mundo feliz. Não estamos preparados para encarar a fragilidade. Parece que a nossa educação está sempre voltada para nos revestir de uma coragem que nos faz esquecer o limite.

Ter coragem é descobrir onde está a nossa fragilidade e ali trabalhar com um empenho um pouquinho maior. É não desconsiderar o que temos de bom, mas é também colocar atenção naquilo que ainda temos que melhorar. Estamos em processo de feitura. Não estou pronto, eu não sou perfeito, estou por ser feito, estou sendo feito aos poucos. E no processo de ser feito aos poucos eu vou descobrindo onde é que dói este espinho. Este espinho muda de lugar. Quanto mais uma pessoa está aperfeiçoada no processo de ser gente, maior é a facilidade de conhecer limites.



Para você retirar um espinho, às vezes, é preciso deixar inflamar. É como se o seu corpo dissesse: “Isso não me pertence”. De qualquer jeito, nós temos que tirar aquilo que não nos pertence. Tem algumas inflamações do espírito, da personalidade que tem gente que é tão aborrecida que a gente não pode nem encostar. São aquelas inflamações que se alastram.

E aí é que entra a grande contribuição do Cristianismo, numa proposta antropológica. Porque Deus não quer que você seja um anjinho na terra, mas que você deixe de ser inflamado. Ele quer te mostrar as inflamações para que você lute.

Cara feia, arrogâncias, isso é complexo de inferioridade. Sabe qual é o espinho? O medo, a insegurança.

Você já fez a experiência de viver uma palavra que te fez vazar em tudo o que estava estragado? Língua afiada quer dizer: deixar toda a inflamação que está dentro de nós vir para fora.


Ter condições de vazar aquilo que antes a gente desconhecia é admitir e reconhecer que somos frágeis. A pior ignorância é aquela que finge que sabe! Temos medo de mostrar que não aprendemos, que somos frágeis. Quantas vezes na nossa vida, por medo, perdemos a oportunidade de aprender.

Às vezes, por medo de expor a nossa fragilidade, porque parece que o mundo de hoje se esqueceu de mostrar a cultura do esforço que se fez para chegar aonde chegamos, perdemos o direito de chorar. E muitas vezes choramos e não sabemos o porquê estamos chorando.

O ensinamento de Jesus é sempre o avesso do avesso. Quer ser santo? Assuma que você é fraco. Muitas vezes, neste processo de se conhecer, a gente sangra. E nós precisamos sangrar. Um dos maiores poetas da música diz isso.

Quantas vezes você não se viu traduzido em uma canção de alguém que teve a coragem de sangrar, não teve medo de mostrar as próprias fragilidades.

Nós somos todos iguais. Nós, padres, somos todos iguais. Não adianta a gente fingir que é forte, ou ficar fingindo que não sente e que não tem medo. Eu não sei se você tem mais de cinco pessoas que conhecem os seus segredos. Para quantas pessoas você teve coragem de sangrar? Pessoas que te enxergam por dentro são raras.

Conversão é isso. É você educar o seu filho para ele poder te contar onde estão os espinhos. O espinho não é o defeito, mas é a seta que nos mostra onde temos que trabalhar para ser melhor.

A vida vai perdendo a graça porque não nos deixamos sangrar. A gente sangra melhor nos momentos de intimidade, onde a gente tem coragem de tirar a couraça. É muito melhor a gente admitir que tem medo. Para as pessoas ,é sempre doloroso ter que tirar os espinhos, de ver vazar as inflamações.

Há tantas situações que nos deixam com o “coração na boca”. Às vezes, nós colocamos muito mais atenção naquilo que as pessoas estão achando de nós, do que no que nós pensamos de nós mesmos.

Examine-se, você é uma pessoa que consegue levar o outro à cura. Em última instância, o que vai sobrar de nós é a nossa vontade de amar. Vamos descobrir o que hoje em nós está "infeccionado", porque é preciso sangrar, é preciso reconhecer-se frágil.



Padre Fábio de Melo

Fonte: http://www.cancaonova.com/portal/canais/eventos/novoeventos/cobertura.php?cod=602&pre=1611

segunda-feira, 29 de março de 2010

Melhor Cantor do ano de 2009 Domingão do Faustão


PARABENS QUERIDO PADRE FÁBIO!
VOCÊ SEMPRE SERÁ O MELHOR, PORQUE SUAS CANÇÕES NOS CONDUZ ATÉ DEUS


*****************************************

Com um carisma, coração e voz que alcança todo canto do Brasil, Padre Fábio de Melo levou o troféu de melhor cantor de 2009! Ele concorreu com Daniel e Seu Jorge.

Fonte:http://tvglobo.domingaodofaustao.globo.com/faustao-melhores-do-ano/2010/03/27/melhor-cantor-padre-fabio-de-melo/

quarta-feira, 24 de março de 2010

A morte de Cristo descrita por um médico


É descrito abaixo as dores de Jesus, segundo um grande estudioso francês, o médico Dr. Barbet, que a redigiu fazendo referencias aos Evangelhos; e o Sudário dá a possibilidade de entender, realmente, as dores de Jesus durante a sua paixão;

“Eu sou sobretudo um cirurgião: ensinei por muito tempo. Por anos vivi em companhia de cadáveres; na minha carreira estudei a fundo a anatomia. Posso então escrever sem presunção.

Jesus, entrando no Getsêmani – escreve o evangelista Lucas – rezava mais intensamente. E aconteceu que descia um suor ‘como gotas de sangue’ que caíam até o chão. O único evangelista que se refere ao fato é um médico, Lucas, e o faz com precisão de um clínico. O suar sangue, ou hematidrose, é um fenômeno raríssimo. Produz-se em condições excepcionais e para provocá-lo é preciso uma prostração física, acompanhada por um choque moral violento, causado por emoção profunda ou por grande medo. O pavor, o susto, a angústia terrível por sentir-se carregado de todos os pecados dos homens, devem ter esmagado Jesus.

Tal tensão extrema produz a ruptura das veias capilares que estão abaixo das glândulas sudoríparas, o sangue se mistura ao suor e se recolhe sobre a pele, depois escorre pelo corpo todo até o chão.

Conhecemos a farsa do processo montado pelo sinédrio hebreu, o envio de Jesus a Pilatos e o desempate entre o procurador romano e Herodes. Pilatos cede e ordena a flagelação de Jesus. Os soldados despojam Jesus e o amarram pelos pulsos a uma coluna do átrio. A flagelação efetua-se com fitas de couro múltiplas sobre os quais são fixadas duas bolinhas de chumbo e de ossinhos. Os sinais do sudário de Turim são inúmeros; a maior parte das chicotadas é nos ombros, na coluna, na região lombar e também no peito.

Os carrascos devem ter sido dois, um para cada lado, de igual envergadura. Golpearam e açoitaram a pele já alterada por milhões de microscópicas hemorragias do suor de sangue. A pele dilacera-se e racha-se; o sangue esguicha. Em cada golpe Jesus pula em um sobressalto de dor. As forças diminuem, um suor frio banha-lhe a fronte,a cabeça roda em vertigem de náusea, arrepios lhe correm na coluna; se não estivesse amarrado pelos pulsos a uma grande altura, acabaria em uma poça de sangue. Depois a zombaria da coroação. Com espinhos compridos, mais duros do que os de acácia, os carrascos teceram uma espécie de capacete e o colocaram em sua cabeça. Os espinhos penetram no couro cabeludo e o fazem sangrar (os cirurgiões sabem quanto sangra o couro cabeludo). Pelo sudário revela-se que um forte golpe de pau, dado obliquamente, deixou na face direita de Jesus uma chaga horrível; o nariz está deformado por uma fratura na parte cartilaginosa.

Pilatos, depois de ter mostrado aquele homem despedaçado à multidão enfurecida, o entrega para a crucifixão. Carregam sobre os ombros de Jesus o grande braço horizontal da cruz, que pesa uns cinquenta quilos. O pau vertical já está plantado no Calvário. Jesus caminha a pés descalços, em uma estrada cheia de pedras. Os soldados o açoitam com cordas. O percurso, por sorte, não é muito comprido, cerca de 600 metros. Jesus, com dificuldade, arrasta um pé após o outro; muitas vezes cai sobre os joelhos. E o ombro de Jesus está coberto de chagas. Quando Ele cai no chão, a trave foge-lhe e esfola-lhe o dorso.

No Calvário começa a crucifixão. Os carrascos despojam o condenado mas a sua túnica está colada às feridas e tirá-la é atroz. Vocês nunca tiraram a gaze do curativo de uma grande ferida contusa ? Vocês mesmos não sofreram esta prova que pede às vezes anestesia ? Podem então ter consciência do que se trata.

Cada linho do tecido adere à carne viva; ao tirar a túnica, as terminações nervosas descobertas pelas chagas laceram-se. Os carrascos tiram a túnica com força violenta. Como é que aquela dor atroz não provoca uma síncope ?

O sangue recomeça a escorrer, Jesus é estendido de costas. As suas chagas encrostam-se de pó e de brita. Estendem-no sobre o braço horizontal da cruz. Os carrascos tomam as medidas. Um pouco de goma na madeira para facilitar a penetração dos pregos: horrível suplício.

O carrasco pega um prego comprido, pontudo e quadrado, o apoia no pulso de Jesus, com um golpe firme de martelo o crava e o bate firmemente na madeira. Jesus deve ter contraído o rosto espantosamente. No mesmo instante o seu polegar, com um violento movimento, põe-se em oposição; na palma da mão o nervo mediano é puxado. Pode-se imaginar o que Jesus deve ter experimentado: uma dor terrível, agudíssima, que difundiu-se nos dedos, repuxou, como língua de fogo no ombro, fulgurou-lhe o cérebro. É a dor mais insuportável que um homem possa experimentar, aquela dada pela ferida de grandes centros nervosos. Normalmente provoca uma síncope e faz perder a consciência. Em Jesus, não. Se ao menos o nervo tivesse sido cortado completamente! Ao invés (se constata muitas vezes experimentalmente) o nervo foi destruído só em parte; a lesão do centro nervoso fica em contato com o prego; quando o corpo estiver suspenso na cruz, o nervo se estenderá fortemente, como uma corda de violino tensa. A cada sacudida, a cada movimento, vibrará, despertando dores dilacerantes. Um suplício que durará três horas. O carrasco e seu ajudante seguram as extremidades da trave; levantam Jesus colocando-o primeiramente sentado e depois de pé, depois fazendo-o caminhar para trás. Põem em cima do pau vertical. Depois rapidamente encaixam o braço horizontal da cruz em cima do pau vertical. Os ombros da vítima se entregam dolorosamente, sobre a madeira áspera. As pontas da grande coroa de espinhos dilaceram o crânio. A pobre cabeça de Jesus está inclinada para frente, pois a espessura do capacete de espinhos lhe impede de encostar-se à madeira. Cada vez que o mártir levanta a cabeça, recomeçam as fincadas agudíssimas.

Pregam-lhe os pés.

É meio-dia; Jesus tem sede. Não bebeu nada desde a tarde precedente. A sua feição é tensa, o rosto é uma máscara de sangue. A boca está semi-aberta e o lábio inferior começa a pender. A garganta, seca, lhe arde em sede, mas Ele não pode degludir. Tem sede. Um soldado lhe estende, sobre a ponta da lança, uma esponja de uma bebida ácida, usada entre os militares. Tudo isso é uma tortura atroz.

Um estranho fenômeno se produz no corpo de Jesus. Os músculos dos braços se enrijecem em uma contração que vai acentuando-se: os deltóides e os bíceps estão tensos e levantados, os dedos encurvam-se. Dir-se-ia um ferido atingido pelo tétano. É o que os médicos chamam de tetania, quando as câimbras se generaliza: os músculos do abdômen se enrijecem em ondas imóveis; depois os interdorsais, os do pescoço e os respiratórios. A respiração fica, pouco a pouco, mais curta. O ar entra, mas não consegue sair, Jesus respira com o ápice dos pulmões. Tem sede de ar: como um asmático em plena crise, o seu rosto pálido, pouco a pouco, se torna vermelho, depois empalidece em violeta purpurino e enfim em cianótico.

Jesus, atacado por asfixia, sufoca. Os pulmões inchados de ar não podem mais esvaziar-se. A fronte está impregnada de suor, os olhos saem fora das órbitas. Que dores atrozes devem ter martelado seu crânio!

Mas o que acontece ? Devagar, com um esforço sobre-humano, Jesus achou um ponto de apoio sobre o prego dos pés. Fazendo força, com pequenos golpes, levanta-se aliviando a tensão dos braços. Os músculos do tórax distendem-se. A respiração se torna mais ampla e profunda, os pulmões se esvaziam e o rosto retoma a palidez primitiva. Por quê este esforço ? Porque Jesus quer falar: “Pai perdoa-lhes: eles não sabem o que fazem”. Depois de um instante o corpo recomeça a se afrouxar e recomeça a asfixia. Foram transmitidas sete frases pronunciadas por Ele na Cruz: a cada vez que quer falar, deve levantar-se segurando-se em pé por um dos preos; inimaginável.

Daí a pouco serão 3 da tarde. Jesus está sempre lutando; de vez em quando se levanta para respirar. É a asfixia periódica que o está estrangulando. Uma ruptura que dura 3 horas.

Todas as suas dores: a sede, as câimbras, a asfixia, as vibrações dos nervos medianos, lhe arrancam um lamento: “Meu Deus, meu Deus: por quê me abandonaste:”

A Mãe de Jesus estava aos pés da cruz. Podem imaginar o sofrimento daquela mulher ?

Jesus grita: “Tudo está consumado”. Depois, em alta voz: ‘Pai, em Tuas mãos entrego o meu espírito’.

E morre.”

sexta-feira, 19 de março de 2010

Oração a São José


Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo,
Amém,

Vós que viajastes pelo Egito conduzindo a Sagrada Família, enfrentando todas as adversidades, dai-me como vós tivestes, muita saúde para enfrentar as peregrinações que a vida me impõe.

Vós que, com o trabalho árduo de carpinteiro sustentastes a Sagrada Família, dai-me serviço para que a ociosidade e o desemprego não me aflinjam e para que sempre me coloque a serviço do Senhor.

Vós que soubestes aceitar com humildade e resignação os desíginios de Deus, dai-me a mesma sabedoria que tivestes para que eu tenha a humildade e a alegria necessárias para bem servir a Deus neste mundo. Pois com saúde, serviço e sabedoria nada mais me faltará. E assim poderei, como vós, servir cada dia mais o Senhor, nosso Deus, nesta breve passagem para a vida eterna. São José, valei-me.

Amém.

Padre Fábio Presença de Jesus no meio de Nós..



quarta-feira, 17 de março de 2010

Perdas Necessarias.....



A minha mãe que partiu em dezembro para casa do Pai esta musica me marca muito, ha saudade é uma dor enorme mas Deus me conforta como conforta cada um q teve uma perda assim.

Nossa Senhora das dores Rogai por nós!

segunda-feira, 15 de março de 2010

ATENÇÃO: Pedido de desculpas...

Amados irmãos que acessam o blog "mensagens Padre Fábio de Melo", gostaria muitssimo de todo meu coração agradecer a vocês que visitam o blog, que gostam e que frequentemente passam por aqui, partilhando conosco deste cantinho especial em homenagem ao nosso querido Padre, a todos que contribuem para enriquece-lo mais ainda deixando seus comentários, lendo, copiando e orando conosco no cantinho da capela virtual e ouvindo a rádio Beatitudes, Venho através desta mensagem esclarecer algo que esta dsgostando alguns e essas pessoas estão deixando mensagens que me deixaram triste quanto a procedência do nosso blog, infelizmente irmãos amados o site tem propagandas exibidas pelo google e ultimamente tem aparecido propagandas sobre vidas passadas, sei que não tem nada haver com o conteudo do blog e das mensagens do Pe. Fábio mas também não quero descriminar quem acredita, Deus nos fez livres que possamos sempre seguir os seus ensinamentos e fazer sempre a sua vontade, respeitando a todos e cumprindo o maior de seus mandamentos:

Amar a Deus sobre todas as coisas e ao proximo como a si mesmo"

Bem amados, mas gostaria de dizer aqueles que deixaram mensagens reclamando sobre isso que estou tentando contactar o addsense e excluir as propagandas deste genero, já que não tem nada haver com o pensamento e as mensagens do Padre Fábio e também com a doutrina da nossa Amada Igreja Católica Apostólica Romana, espero que todos entendam e continuem visitando o nosso blog, essas coisas na internet sempre acontecem.

contando com a compreensão de todos
que Deus nos abençoe!!

PAZ E BEM!

Andrea Silva
moderadora do blog

quinta-feira, 11 de março de 2010

Padre Fábio e Padre Leo "dois anjos de Deus"


Meditemos a Paixão e morte de Jesus


VIA-SACRA

1ª ESTAÇÃO

JESUS É CONDENADO A MORTE

M. – Nós vos adoramos Senhor Jesus e vos bendizemos.
T. – Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.
L. – Pilatos então entregou Jesus para que fosse condenado. (Jo 19,16) Jesus cala-se. Somente quem ama sabe aceitar no silencio a injustiça e a morte.
M. – Livrai-nos Senhor, da covardia que fecha os ouvidos, que cega os olhos, que paralisa as mãos e o coração, que impede de “caminhar juntos”, de lutar pelo bem maior de todos os nossos irmãos.
T. – Senhor tende piedade de nós!
M. - Ó Jesus, que por amor de nós aceitastes, em silencio, o julgamento cruel de Pilatos, nós vos pedimos:
T. – Tende piedade de nós e de todos os homens.
L. – Ele não cometeu pecado.
T. – Nem na sua boca se achou engano.
M. – Ultrajado não replicava com injurias, e atormentado não ameaçava.
T. – Senão que se entregava aquele que julga com justiça.
L. – Cristo nos amou e se entregou por nós.
T. – Se com ele sofremos, com Ele seremos glorificados.

CANTO: Com a Cruz é carregado, e do peso acabrunhado, vai morrer por teu amor, vai morrer por teu amor!............................Pela Virgem dolorosa......


2ª ESTAÇÃO

JESUS RECEBE A CRUZ

M. – Nós vos adoramos Senhor Jesus e vos bendizemos.
T. – Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.
L. – Ele próprio carregava sua cruz. (Jo 19,17) A Cruz é pesada para o corpo de Jesus, mas ele não protesta. Antes recebe-a com amor porque é instrumento de nossa salvação.
M. – Agradecemos, Senhor, este imenso amor, que vos faz acolher a Cruz com alegria e levá-la com coragem. Que vosso exemplo nos inspire. Que todos nós saibamos aceitar a cruz da nossa missão redentora da vida.
T. – Senhor, tende piedade de nós.
M. - Ó Jesus, que voluntariamente carregaste sobre vossos ombros a pesada cruz, que os pecados da humanidade vos prepararam, nós vos pedimos:
T. – Tende piedade de nós e de todos os homens.
L. – Ele carregou os nossos pecados em seu corpo sobre o madeiro.
T. – Para que, mortos para o pecado, vivêssemos para justiça; e por suas feridas fomos curados.
M. – Se alguém quiser vir após mim,
T. – Renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me.
L. – Cristo nos amou e se entregou por nós.
T. – Se com Ele sofremos, com Ele seremos glorificados.
CANTO: Pela Cruz tão oprimido, Cai Jesus desfalecido Pela tua salvação, pela tua salvação.
A morrer crucificado, etc.....


3ª ESTAÇÃO

JESUS CAI PELA PRIMEIRA VEZ

M. – Nós vos adoramos Senhor Jesus e vos bendizemos.
T. – Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.
L. – Ele tomou sobre si as nossas enfermidades. (Is 53,4) Prostrado, sem forças, Jesus cai sob o peso da cruz. Sem um lamento levanta-se e prossegue.
M. – Pelos esposos infiéis ao seu amor, pelos pais omissos na educação dos filhos.
T. – Levantai-vos Senhor.
M. – Pelos noivos que não encaram com seriedade a missão e a responsabilidade do matrimônio cristão. Pelos jovens caídos nos vícios ou atraídos por filosofias estranhas e enganadoras..
- Por todos os moradores do nosso bairro que hesitam em aceitar o Cristo em sua vida...
T. – Senhor tende piedade de nós.
M. - Ó Jesus, que exausto caístes pela primeira vez sob o peso da cruz, nós vos pedimos:
T. – Tende piedade de nós e de todos os homens.
M. – Não tinha graça nem beleza para atrair nossos olhares;
T. – Era desprezado, era a escória da humanidade, o homem das dores, experimentado nos sofrimentos.
L. – Nós o reputávamos um castigado, um homem ferido por Deus e humilhado.
T. – Ele foi castigado por nossos crimes e esmagado por nossas iniqüidades.
M. – Cristo nos amou e se entregou por nós.
T. – Se com ele sofremos, com ele seremos glorificados.

CANTO: De Maria lacrimosa, no encontro lastimosa. Vê a viva compaixão, vê a viva compaixão.
Pela Virgem dolorosa.......



4ª ESTAÇÃO

JESUS ENCONTRA-SE COM SUA MÃE SANTÍSSIMA

M. – Nós vos adoramos Senhor Jesus e vos bendizemos.
T. – Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.
L. – Uma espada transpassará a tua alma. (Lc 2,35) Mãe e Filho encontram-se no caminho do Calvário, o sofrimento de ambos une-se numa única oferta à vossa majestade, para a salvação eterna de meus irmãos.
M. – Maria de Nazaré, humilde serva e mulher forte, que vosso exemplo nos ilumine: fidelidade ao compromisso assumido, presença ativa e cheia de ternura junto aos necessitados.
T. – Maria mãe das dores, rogai por nós.
M. - Ó Jesus, que com dor profunda encontrastes vossa bendita mãe na via dolorosa, nós vos pedimos:
T. – Tende piedade de nós e de todos os homens.
L. – Uma espada te atravessará a alma,
T. – Para que se descubram os pensamentos de muitos corações.
M. – Forte como a morte é o amor
T. – as torrentes não o poderão extinguir.
L. – Cristo nos amou e se entregou por nós.
T. – Se com ele sofremos, com ele seremos glorificados.

CANTO: Em extremo desmaiado, de Simão é obrigado, aceitar confortação, aceitar confortação..... Pela Virgem dolorosa......





5ª ESTAÇÃO

JESUS É AJUDADO PELO CIRENEU

M. – Nós vos adoramos Senhor Jesus e vos bendizemos.
T. – Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.
L. – Se alguém quiser vir após mim...tome a sua cruz cada dia e siga-me (Lc 9,23)Simão Cireneu volta cansado do trabalho. Os soldados obrigam-no a ajudar Jesus, Deus não nos obriga, convida-nos à salvação. É preciso que eu me decida...
M. –Ó Jesus quisestes precisar de Simão de Cirene para levar a Cruz até o calvário. Queirais precisar de cada um de nós para levar até o fim vossa obra redentora. Libertai-nos do orgulho para que possamos carregar o fardo uns dos outros.
T. - Senhor tende piedade de nós.
M. - Ó Jesus, que em tamanha fraqueza vos encontráveis, que Simão Cireneu teve de vos ajudar a carregar a cruz, nós vos pedimos:
T. – Tende piedade de nós e de todos os homens.
L. – Estou inteiramente seguro de que Cristo será glorificado em meu corpo ou pela vida ou pela morte.
T. – pois para mim a vida é Cristo, e a morte, lucro.
M. – Carregai os fardos uns dos outros.
T. – E assim cumprireis a lei de Cristo.
L. – Cristo nos amou e se entregou por nós.
T. – Se com ele sofremos, com ele seremos glorificados.

CANTO: O seu rosto ensangüentado, por Verônica enxugado, contemplamos com amor, contemplamos com amor... ....................... Pela Virgem dolorosa.........etc...

6ª ESTAÇÃO

VERÔNICA ENXUGA O ROSTO DE JESUS

M. – Nós vos adoramos Senhor Jesus e vos bendizemos.
T. – Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.
L. – Não tinha graça nem beleza para atrair nossos olhares (Is 53,2). Com piedade e amor, Verônica enxuga o rosto de Jesus, suavizando-lhe as marcas da violência e da vulgaridade humana.
M. – Perdão Senhor para o nosso coração atravancado: ninguém encontra nele o vosso amor, Reeducai-o para os gestos gratuitos de carinho, para que a vossa face resplandeça em nós.
T. - Senhor tende piedade de nós.
M. - Ó Jesus, que quisestes imprimir o vosso santo rosto no sudário da Verônica, nós vos pedimos:
T. – Tende piedade de nós e de todos os homens.
L. – Os olhos do Senhor contemplam os justos.
T. – Porém seu rosto está contra os que fazem o mal.
M. – Fazei brilhar sobre nós, Senhor, a luz de vossa face.
T. – Concedei-nos vossa intimidade e manifestai-nos a vossa glória.
L. – Cristo nos amou e se entregou por nós.
T. – Se com ele sofremos, com ele seremos glorificados.

CANTO: Outra vez desfalecido, pelas dores abatido, cai em terra o Salvador, cai em terra o Salvador.................. Pela Virgem dolorosa......... etc


7ª ESTAÇÃO

JESUS CAI PELA SEGUNDA VEZ

M. – Nós vos adoramos Senhor Jesus e vos bendizemos.
T. – Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.
L. – Ele carregou as nossas dores (Is 53,4). Jesus tomou sobre si as nossas misérias, o nosso cansaço. Ele vai a fim de nos dar forças e coragem para não sucumbirmos à tentação.
M. - Dai-nos fé Senhor, para não ver sinais de maldade na pobreza e na miséria de nossos irmãos, mas antes, sinais da vossa presença redentora. Fazei que nossas quedas nos despertem para uma generosidade maior.
T. - Senhor tende piedade de nós.
M. - Ó Jesus, que no excesso de vossas dores caístes uma segunda vez em terra, nós vos pedimos:
T. – Tende piedade de nós e de todos os homens.
L. – Mas eu sou um verme, não um homem, o opróbrio dos homens e o rebotalho da plebe.
T. – Todos os que me vêem zombam, descerram os lábios e meneiam a cabeça.
M. – Aprouve ao Senhor esmaga-lo pelo sofrimento.
T. – Para que ele oferecesse sua vida em sacrifício expiatório.
L. – Cristo nos amou e se entregou por nós.
T. – Se com ele sofremos, com ele seremos glorificados.
CANTO: Das matronas piedosas, de Sião filhas chorosas, é Jesus consolador, é Jesus consolador.
Pela Virgem dolorosa..........etc...



8ª ESTAÇÃO

JESUS ENCONTRA AS SANTAS MULHERES

M. – Nós vos adoramos Senhor Jesus e vos bendizemos.
T. – Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.
L. – Filhas de Jerusalém, não choreis sobre mim, mas chorai sobre vós e sobre vossos filhos (Lc 23,28). Jesus admoesta as piedosas mulheres que se arrependem de seus pecados, porque eles são causa do sofrimento de Cristo.
M. – Senhor que a vossa advertência às filhas de Jerusalém nos oriente também a nós, fazendo-nos compreender que melhor sabe consolar quem melhor sabe sofrer e melhor saber sofrer quem possui a grande paz interior que Cristo possui em grau infinito.
T. - Senhor tende piedade de nós.
M. - Ó Jesus, que em meio de vossas dores ainda tivestes compaixão do sofrimento que viria a cair sobre as mães e os filhos do vosso povo, nós vos pedimos:
T. – Tende piedade de nós e de todos os homens.
L. – Não choreis sobre mim.
T. – Chorai antes por vós mesmas e por vossos filhos
M. – Se vale alguma exortação em Cristo, algum conforto de amor, alguma comunicação do Espirito e se há em vós entranhada compaixão.
T. – Completai minha alegria, tendo todos o mesmo pensar, a mesma caridade, o mesmo ânimo, o mesmo sentir.
L. – Cristo nos amou e se entregou por nós.
T. – Se com ele sofremos, com ele seremos glorificados.

CANTO: Terceira vez cai prostrado, pelo peso redobrado, dos pecados e da Cruz, dos pecados e da Cruz................. Pela Virgem dolorosa..........etc...




9ª ESTAÇÃO

JESUS CAI PELA TERCEIRA VEZ

M. – Nós vos adoramos Senhor Jesus e vos bendizemos.
T. – Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.
L. – Era amaldiçoado e não fazíamos caso dele (Is 53,2). É o peso dos nossos pecados que o faz cair. Ninguém se aproxima para soerguê-lo. Jesus sente a angustia da solidão. Mas levanta-se e prossegue.
M. – Só vós, Senhor, podeis atingir o mal na sua raiz vencendo-o no próprio coração do homem. Pelo vosso Espírito criai em nós um coração novo, um novo amor.
T. - Senhor tende piedade de nós.
M. - Ó Jesus, que caístes uma terceira vez sob o peso de nossos pecados nós vos pedimos:
T. – Tende piedade de nós e de todos os homens.
L. – Acima de minha cabeça elevam-se as iniqüidades dos homens.
T. – Elas me oprimem como um pesado fardo
M. – Se por terdes feito o bem padeceis e o suportais com paciência isto é graça junto de Deus.
T. – Para isto fostes chamados, já que também Cristo padeceu por vós e vos deixou exemplo, para que lhe sigais as pegadas.
L. – Cristo nos amou e se entregou por nós.
T. – Se com ele sofremos, com ele seremos glorificados.

CANTO: Dos vestidos despojados, por verdugos maltratados, eu vos vejo meu Jesus, eu vos vejo meu Jesus................. Pela Virgem dolorosa..........etc...




10ª ESTAÇÃO

JESUS É DESPOJADO DE SUAS VESTES

M. – Nós vos adoramos Senhor Jesus e vos bendizemos.
T. – Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.
L. – Todos os que me vêem zombam de mim (Sal 21,8). Durante a paixão, despojaram-no de tudo: da liberdade, da fama, da atividade, dos amigos, de sua própria mãe! Agora privam-no também das vestes.
M. – Que todos nós, Senhor, sejamos despidos de nossas avarezas, de nosso comodismo e revestidos com os sentimentos de vossa justiça, de vosso amor.
T. - Senhor tende piedade de nós.
M. - Ó Jesus, quisestes suportar o ultimo ultraje dos condenados à morte, nós vos pedimos:
T. – Tende piedade de nós e de todos os homens.
L. – Repartem entre si as minhas vestes.
T. – E sobre a minha túnica lançam sorte.
M. – Mortificai os vossos membros pois vos despojastes do homem velho com todas as suas obras.
T. – E vestistes o novo que vai se renovando em direção ao verdadeiro conhecimento, segundo a imagem de quem o criou.
L. – Cristo nos amou e se entregou por nós.
T. – Se com ele sofremos, com ele seremos glorificados.

CANTO: Sois por mim à Cruz pregado, insultado, blasfemado, com cegueira e com furor, com cegueira e com furor................... Pela Virgem dolorosa..........etc...



11ª ESTAÇÃO

JESUS É PREGADO NA CRUZ

M. – Nós vos adoramos Senhor Jesus e vos bendizemos.
T. – Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.
L. – Quem sacrifica sua vida por amor de mim salvá-la-á (Lc 9,24). O corpo inteiro se contrai quando os pregos perfuram as mãos e os pés de Jesus. Pregado na cruz, é levantado à vista de todos: Eis o Filho de Deus.
M. – Senhor, ensinai-nos a amar, a amar até ao sacrifício, até a morte. Que a nossa presença, à semelhança da vossa leve luz e esperança a todos os crucificados da vida.
T. - Senhor tende piedade de nós.
M. - Ó Jesus, que vos deixastes transpassar com duros cravos nas mãos e nos pés, nós vos pedimos:
T. – Tende piedade de nós e de todos os homens.
L. – Transpassaram minhas mãos e meus pés
T. – Contaram todos os meus ossos.
M. – As raposas tem covis e as aves do céu ninhos,
T. – Mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça.
L. – Cristo nos amou e se entregou por nós.
T. – Se com ele sofremos, com ele seremos glorificados.

CANTO: Meu Jesus por mim morrestes, por meus crimes padecestes, oh! Que grande é minha dor, oh! Que grande é minha dor................. Pela Virgem dolorosa..........etc...





12ª ESTAÇÃO

JESUS MORRE NA CRUZ

M. – Nós vos adoramos Senhor Jesus e vos bendizemos.
T. – Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.
L. – Ninguém tem maior amor do que aquele que da sua vida por seu amigos (Jo 15,13). Jesus quis entregar sua vida por mim. Antes mesmo que o conhecesse, ele me amou!
M. – Senhor, que o grito de vossa fidelidade suprema e o gemido de vossa oração misericordiosa ecoem dentro de todos nós, convidando-nos para uma generosidade semelhante.
T. - Senhor tende piedade de nós.
M. - Ó Jesus, que obediente à vontade do Pai, depois de três horas de agonia, morrestes na cruz pela salvação do mundo, nós vos pedimos:
T. – Tende piedade de nós e de todos os homens.
L. – Tende em vós os mesmos sentimentos de Cristo Jesus,
T. – que embora igual a Deus despojou-se de si mesmo, tomando a condição de servo, feito semelhante aos homens.
M. – Humilhou-se feito obediente até a morte e morte de cruz.
T. – Por isso também Deus o exaltou e lhe outorgou um nome que é sobre todo nome.
L. – Cristo nos amou e se entregou por nós.
T. – Se com ele sofremos, com ele seremos glorificados.

CANTO: Do madeiro vos tiraram, e à mãe vos entregaram, com que dor e compaixão, com que dor e compaixão.................. Pela Virgem dolorosa..........etc...


13ª ESTAÇÃO

JESUS É DESCIDO DA CRUZ

M. – Nós vos adoramos Senhor Jesus e vos bendizemos.
T. – Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.
M. – Santa Maria T. - Rogai por nós!
Saúde dos enfermos, “
Refúgio dos pecadores “
Consoladora dos aflitos “
Auxílio dos cristãos “
L. – Tudo está consumado (Jo 19,30). Maria Santíssima acolhe amorosamente entre os braços o corpo exâmine de seu divino Filho.
T. – Tende piedade de nós.
M. – Ó Jesus que descido da Cruz fostes colocado nos braços de vossa bendita Mãe, nós vos pedimos:
T. – Tende piedade de nós e de todos os homens.
L. – Ó vós que passais pelo caminho, olhai e julgai,
T. – se existe dor igual a minha dor
M. – Eis aqui a Serva do Senhor
T. – Faça-se em mim segundo a tua palavra.
L. – Cristo nos amou e se entregou por nós.
T. – Se com ele sofremos, com ele seremos glorificados.

CANTO: No sepulcro vos deixaram, Sepultado vos choraram, magoado o coração, magoado o coração........................................... Pela Virgem dolorosa..........etc..


14ª ESTAÇÃO

JESUS É SEPULTADO

M. – Nós vos adoramos Senhor Jesus e vos bendizemos.
T. – Porque pela vossa Santa Cruz remistes o mundo.
L. – Se o grão de trigo caído na terra não morrer, fica só, se morrer produz muitos frutos. (Jo 12,14). O sacrificio que nos redime está realizado. O autor da vida, porém, vence a morte, para iniciar o reino da verdadeira vida. A imitação de Jesus Cristo, o cristão morre para viver, e renasce para não morrer.
M. – O mundo pode renascer, a vida pode ser reconquistada se cada um de nós viver o Mistério Pascal de Cristo.
Cristo Ressuscitou. Eis o fundamento da nossa fé. Todos nós ressuscitaremos com Ele.
T. - Cristo tende piedade de nós.
M. - Ó Jesus, que quisestes participar do desígnio do sepulcro e três dias permanecer na terra até à manhã da ressurreição, nós vos pedimos:
T. – Tende piedade de nós e de todos os homens.
L. – Se o grão de trigo não cair na terra, ficará só.
T. – Mas se morrer, dará muito fruto
M – Se cremos que Jesus morreu e ressuscitou
T. – assim também Deus, por Jesus, tomará consigo os que dormiram nele.
L. – Cristo nos amou e se entregou por nós.
T. – Se com ele sofremos, com ele seremos glorificados.

CANTO: Meus Jesus por vossos passos, recebei em Vossos braços, este grande pecador, este grande pecador................... Pela Virgem dolorosa..........etc..

A Santidade é feita de instantes


I Carta de São Paulo ao Timóteo capitulo 4, versículo 12 ao 16. ‘Ninguém te despreze por seres jovem. Ao contrário, torna-te modelo para os fiéis, no modo de falar e de viver, na caridade, na fé, na castidade. Enquanto eu não chegar, aplica-te à leitura, à exortação, ao ensino. Não negligencies o carisma que está em ti e que te foi dado por profecia, quando a assembléia dos anciãos te impôs as mãos. Põe nisto toda a diligência e empenho, de tal modo que se torne manifesto a todos o teu aproveitamento. Olha por ti e pela instrução dos outros. E persevera nestas coisas. Se isto fizeres, salvar-te-ás a ti mesmo e aos que te ouvirem.’

Vamos hoje meditar sobre a ação de do Espírito em nós que nos convida a ser santo. Santidade muitas vezes foi compreendida como algo longe, às vezes pensamos que nosso jeito de viver não nos levará a santidade, porque você está ancorado nos santos antigos que tem suas imagens. Muitas vezes ligamos a santidade ao sofrimento.

Santificar é você descobrir que o projeto de santidade, é o Espírito Santo que move as diferentes pessoas nos diferentes tempos e faz uma obra maravilhosa. Os santos que estarão nos andores nas nossas Igrejas no futuro estão aqui no rincão, estão em casa. Você já imaginou sua imagem? Quais as reais possibilidades do Espírito Santo gerar em você um testemunho fiel? Santidade é isso, é testemunho, é processo de transformação do coração do homem para ser semelhante a Jesus.

Os santos de calça jeans, os santos da modernidade estão para nascer depende de nós, depende do nosso coração, precisamos ser santos com computador, e com bateria.

A santidade é feita de instante, é feito do agora, se em você neste momento não tem atitude pecaminosa, você está em um momento de santidade. Mas você precisa está atenta ao seu coração, vigiar sobre si mesmo para não sair desta graça. Não negligencie a felicidade que Deus te concede, e felicidade é santidade, não estou falando desta felicidade passageira.

A nossa visão está projetada para fora, muitas vezes para o outro, para o que o outro pensa de nós, e não lembramos o que Deus pensa de nós. O que você vive hoje é santidade? São Paulo fala a Timóteo, Timóteo cuidado com seu jeito de viver, de agir, de sentir. Digo a você vigie, cuide-se!

Quantas vezes você não é feliz por causa do outro? E quantas vezes somos empecilhos para felicidade do outro porque faltou vigilância. Precisamos nos cuidar para não nos tornarmos pessoas insuportáveis. Santidade é concreto, é do jeito que nos tratamos quando acaba a pregação, quando estamos na fila. É muito fácil nos fechar o sofrimento e nos indispor na transformação que Deus quer fazer conosco, deixa de se enjoado, seja santo, os altares já estão pronto só falta os santos.

Transcrição: Elcka Torres do blog da canção nova blog.cancaonova.com/eventos/?cat=961

terça-feira, 2 de março de 2010

08 DE MARÇO -Dia Internacional da Mulher

História do 8 de março
No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho, tais como, redução na carga diária de trabalho para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário), equiparação de salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.
A manifestação foi reprimida com total violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano.
Porém, somente no ano de 1910, durante uma conferência na
Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o "Dia Internacional da Mulher", em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857. Mas somente no ano de 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela ONU (Organização das Nações Unidas).
Objetivo da Data




Ao ser criada esta data, não se pretendia apenas comemorar. Na maioria dos países, realizam-se conferências, debates e reuniões cujo objetivo é discutir o papel da mulher na sociedade atual. O esforço é para tentar diminuir e, quem sabe um dia terminar, com o preconceito e a desvalorização da mulher. Mesmo com todos os avanços, elas ainda sofrem, em muitos locais, com salários baixos, violência masculina, jornada excessiva de trabalho e desvantagens na carreira profissional. Muito foi conquistado, mas muito ainda há para ser modificado nesta história.

Conquistas das Mulheres Brasileiras
Podemos dizer que o dia 24 de fevereiro de 1932 foi um marco na história da mulher brasileira. Nesta data foi instituído o voto feminino. As mulheres conquistavam, depois de muitos anos de reivindicações e discussões, o direito de votar e serem eleitas para cargos no executivo e
legislativo.



Marcos das Conquistas das Mulheres na História
1788 - o político e filósofo francês Condorcet reivindica direitos de participação política, emprego e educação para as mulheres.
1840 - Lucrécia Mott luta pela igualdade de direitos para mulheres e negros dos Estados Unidos.
1859 -
surge na Rússia, na cidade de São Petersburgo, um movimento de luta pelos direitos das mulheres.
1862 - durante as eleições municipais, as mulheres podem votar pela primeira vez na Suécia.
1865 - na
Alemanha, Louise Otto, cria a Associação Geral das Mulheres Alemãs.
1866 - No Reino Unido, o economista John S. Mill escreve exigindo o direito de voto para as mulheres inglesas
1869 - é criada nos Estados Unidos a Associação Nacional para o Sufrágio das Mulheres
1870 - Na França, as mulheres passam a ter acesso aos cursos de
Medicina.
1874 -
criada no Japão a primeira escola normal para moças
1878 - criada na Rússia uma Universidade Feminina
1901 - o deputado francês René Viviani defende o direito de voto das mulheres
__HOMENAGEM ÀS MULHERES
Sempre guerreira, mãe, amante e amiga. Ela é a dona da casa, profissional, intuitiva.Vê sem que a mostrem, escuta longe e sente perto. Cuidas das suas crias, de seus amores e suas dores.Sofre calada, ri quando está triste, só para não preocupar os outros...Dá comida, abrigo, conselhos, dá a roupa do corpo se preciso for. Ela é nosso socorro, nosso porto seguro, nosso norte. Ela é a muralha e a flor. A vida e a morte. A mão que bate, afaga e constrói. Ela é o amor incondicional, a ausência que dói. Porque ela faz melhor, ela faz mágica, se divide em mil. E tudo sai perfeito, na hora certa, porque ela é surpreendente. Ela corre, batalha, cansa e sai linda do banho.Ela tem uma força só dela, única, um poder escondido. Ela têm muitas dentro dela... Ela sempre tem a palavra certa, ela sempre dá um colo ás amigas, ao filho, ao seu amor, ao seu cachorro... ela carrega o mundo! Ela é amorosa, solidária, uma Deusa aqui na terra. E ela é isso diariamente. Mesmo frágil, muitas vezes com medo Ela têm dúvidas e inseguranças Mas ela arrisca e ousa, ela vai em busca E ela sempre alcança.Porque ela é sempre ela Ela é sempre grande Sempre Mulher.
Carolina Salcides__________________________________






A VOCÊ MULHER NOSSA HOMENAGEM!!!!


Almas perfumadas